nsc
dc

MEMÓRIA DO CARNAVAL

Que falta faz o amigo

Zezinho Carriço, diretor do Bloco Marisco da Maria, e a camiseta do bloco do ano 2020, a última usada pelo amigo Arnaldo Costa, o popular Carocha

14/02/2021 - 06h00

Compartilhe

Por Ângela Bastos
zezinho-carrico-homenagem-personagens-carnaval-vitimas-covid-19
Zezinho Carriço relembra o amigo Carocha com uma camisa do bloco
(Foto: )

Na primeira conversa, ainda por telefone, Zezinho Carriço adiantou o objeto que traria para homenagear o amigo Arnaldo Costa. E assim foi. 

– Escolhi a camiseta 2020 do Marisco da Maria. É a forma que tenho de reverenciar nosso saudoso, uma lembrança da última participação dele com a gente. Por sinal, o Arnaldo tinha um jeito peculiar de se apresentar no grupo de mensagens da diretoria do bloco e que nestes tempos faz uma falta enorme para todos nós: “Bom dia, marisqueiros!” – recorda Carriço, ao falar de Carocha, 69 anos, vencido pela Covid-19 em 31 de agosto.

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

O apelido veio dos tempos de juventude, quando ele foi picado por uma carocha (inseto) numa pelada com amigos. O inchaço no rosto não tirou Arnaldo do campo, mas quando o juiz apitou o final da partida ninguém mais lembrava do verdadeiro nome dele. Saído da comunidade da Mariquinha, no Maciço do Morro da Cruz, Arnaldo começou a se envolver com o Carnaval de Florianópolis nos tempos das chamadas Grandes Sociedades, mais especificamente na Granadeiros da Ilha, onde começou a fazer os charmosos carros de mutação.

> Vídeo: familiares e amigos recordam personagens do Carnaval vítimas da Covid-19 

> Henry Cromack: Violão na mão e um peito cheio de saudade

> Armando Farias: O militar e o sambista

> Antônio Carlos Barbosa: A ferro e a amor

> Lapa: Sem gurufim, mas o chapéu como herança

Nos últimos anos, desfilava com a Velha-Guarda da Os Protegidos da Princesa e no Marisco da Maria. Carocha estava radicado em Tubarão. Sempre que vinha a Florianópolis, ele desafiava Carriço para uma partida de dominó. O último encontro foi num bar da antiga rodoviária, na Avenida Mauro Ramos, Centro da cidade: 

– Jogamos, tomamos cerveja e conversamos muito, inclusive sobre a pandemia. Como já tinha certa idade, ele estava preocupado em ser infectado – recorda Carriço. 

A companheira de Carocha, Simone Salgado, também se contaminou e precisou ser internada na UTI. Depois de dois meses de tratamento, ela conseguiu ter alta. Quando soube da ideia desta reportagem, Simone concordou que Zezinho Carriço estivesse presente.

> Variantes do coronavírus: o que são e quais as diferenças entre elas

Carriço contou-lhe que a Covid-19 tinha sabotado um sonho de Carocha: o de construir um carro para o Marisco da Maria. Foi um momento de emoção. Lembra que este período de pré-Carnaval sempre é de muita aproximação com as pessoas, de correria nos barracões, busca por material, aglomero nos ensaios e eventos, ajuntamento nos bares e ruas. O samba propicia estes encontros que, independente das cores e bandeiras das agremiações, fortalece os laços de amizade.

– Aquela batida do surdo ecoando no nosso peito deu lugar a um vazio trazido pela perda de pessoas queridas, como do amigo Carocha, a quem quero prestar uma singela amizade. Fique em paz amigo, mas saiba que você faz falta entre nós...

Familiares e amigos relembram personagens do Carnaval vítimas da Covid-19 em vídeo:

Leia também:

> MP vai à Justiça para proibir Carnaval com trio elétrico em Balneário Camboriú

> Veja a lista de lives para curtir o Carnaval em casa

Colunistas