nsc
    hora_de_sc

    Curiosidades

    Vespas asiáticas "assassinas" são encontradas pelo mundo

    Principais presas da espécie são as abelhas, mas o seu veneno, em múltiplas picadas, pode ser letal para o ser humano

    07/02/2021 - 10h00 - Atualizada em: 07/02/2021 - 13h35

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação Hora
    As vespas gigantes asiáticas recebem o nome científico de "vespa mandarinia"
    As vespas gigantes asiáticas recebem o nome científico de "vespa mandarinia"As vespas gigantes asiáticas recebem o nome científico de "Vespa mandarinia"
    (Foto: )

    A maior vespa do mundo foi vista desde o ano passado nos Estados Unidos, e começou a ser chamada de "vespas asiáticas assassinas", mas fique tranquilo, não entre em pânico. Leia este artigo e entenda melhor a espécie!

    > ​Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    No ano passado, a mídia dos Estados Unidos divulgou amplamente a aparição de um inseto ameaçador que ficou rapidamente conhecido como “vespas asiáticas assassinas”, pois teria vindo de sua terra natal, o continente asiático, causando certo alarme entre pessoas, com ou sem entomofobia (o medo de insetos). 

    Embora seu ferrão seja aparentemente muito dimensionado, que a tornam talvez parecida a algo saído de um filme de terror, não há necessidade de sair como um apicultor para seu passeio no jardim. Vamos abordar os principais elementos que você deve saber sobre essas vespas.

    > Ataque de abelhas na Serra do Rio do Rastro causa interdição de mirante

    O nome verdadeiro da vespa asiática assassina

    Com 1,5 a 2 polegadas de comprimento, as vespas gigantes asiáticas recebem o nome científico de "vespa mandarinia", e são consideradas as maiores espécies de vespas do mundo. Elas são caracterizadas por listras laranjas e pretas, semelhantes aos tigres. Receberam seu apelido porque podem matar pessoas, mas não tão facilmente quanto elas acreditam.

    Pesquisadores japoneses chegaram a comentar no The New York Times que elas foram apelidadas assim porque às vezes atacam em grupos, e o seu veneno, em múltiplas picadas, pode ser letal o suficiente para matar um ser humano. Porém, as vespas asiáticas geralmente não têm como alvo os seres humanos, a menos que se sintam ameaçadas. 

    Embora uma única picada possa não ser fatal, ainda é significativamente mais dolorosa do que uma picada de abelha ou vespa normal, e o ferrão da vespa conhecida por nós é quase um quarto de polegada de comprimento.

    > Idoso morre afogado em açude após ser atacado por abelhas no Oeste de SC

    Sendo assim, como fazendo jus a seu apelido, elas sim representam uma séria ameaça para outra população: as abelhas.

    Sim, isso mesmo! A vítima mais comum das tendências homicidas de uma vespa asiática é a abelha. As vespas usam suas mandíbulas compridas e pontiagudas para arrancar as cabeças das abelhas e carregam os tórax das abelhas de volta aos ninhos para alimentar seus filhotes. Em poucas horas, algumas vespas podem destruir completamente uma colmeia inteira.

    As abelhas europeias, por exemplo, não têm defesa conhecida contra as vespas asiáticas, embora as abelhas tenham sido observadas picando os supostos invasores, parece não ter efeito sobre essas vespas.

    > Idosa de 76 anos é atacada por enxame de abelhas e leva mais de 50 picadas no Vale do Itajaí

    Onde elas estão migrando?

    Em dezembro de 2019, foram vistas nos Estados Unidos apenas quatro aglomerações de vespas asiáticas, oriundas do Japão, China e outras partes da Ásia. Mas, também foram encontradas em outras partes do continente norte-americano, como o Canadá, ainda no ano passado. 

    Como as vespas assassinas asiáticas matam abelhas em grande número, apicultores e outros pesquisadores estão preocupados com o efeito devastador que poderiam ter na população de abelhas, que já está diminuindo, caso se tornem uma espécie invasora. Para evitar que isso aconteça , eles estão tentando localizá-las e exterminar seus ninhos o mais rápido possível.

    No momento, não se pode confirmar como as vespas chegaram ao Ocidente, mas uma hipótese mais provável é que elas tenham ficado acidentalmente presas em contêineres vindos de um dos países asiáticos.

    > Como a escolha da rainha influencia no mel de SC; confira em infografia

    Há indícios de mortes de pessoas em razão das vespas assassinas asiáticas? 

    Sim, com o veneno tóxico que seus grandes ferrões liberam, os insetos já são conhecidos por matar pessoas em seus habitats nativos. 

    No Japão, uma média de 30 a 50 pessoas morrem por ano por causa das picadas de vespas. Mas, maioria dos incidentes graves ocorre quando as pessoas se aproximam ou perturbam as suas colmeias.

    Conheça melhor as vespas assassinas asiáticas

    As vespas assassinas asiáticas têm ferrões enormes, maiores de que as das outras vespas, podendo até perfurar as roupas de proteção que os apicultores normalmente usam. Mesmo em pessoas que não são alérgicas, 50 ou menos picadas podem causar a morte devido a danos toxicológicos nos rins.

    A sensação é como ser apunhalado por uma agulha em brasa, e normalmente, a parte picada incha muito e ccostuma continuar doendo por alguns dias. Essas são uma das razões pelas quais a recente descoberta de vespas gigantes no estado de Washington (costa noroeste dos Estados Unidos) causou tanta sensação e agora são tendência nas redes sociais como “ vespas assassinas ”.

    As vespas gigantes asiáticas têm de 1,5 a 2 polegadas de comprimento
    As vespas gigantes asiáticas têm de 1,5 a 2 polegadas de comprimento
    (Foto: )

    Embora as vespas tenham potencial para se espalhar, até o momento elas não foram encontradas em nenhum outro lugar dos Estados Unidos ou se espalhado para outros países (exceto Canadá). 

    > Acidentes com animais peçonhentos crescem 47,8% nos últimos quatro anos em SC

    O habitat da vespa asiática

    A vespa mandarinia tende a viver em montanhas baixas ou áreas florestadas. É notavelmente ausente nas planícies e em altitudes mais elevadas. A espécie cria ninhos subterrâneos cavando, ou que foram cavadas por pequenos roedores, perto de raízes podres de árvores. A profundidade de seus ninhos varia entre 6 e 60 cm.

    Descrição física

    A vespa assassina asiática tem esse nome porque é considerada a maior vespa do mundo. O comprimento do corpo de uma rainha pode passar dos 5 cm, com envergadura que pode passar dos 7 cm. Os machos e as operárias são consideravelmente menores que as rainhas. 

    Assim, rainhas e operárias diferem apenas no tamanho. Tanto rainhas quanto operárias possuem anatomia reprodutiva, embora operárias não se reproduzam. Os machos desta espécie são morfologicamente semelhantes às fêmeas, porém, os machos não têm o ferrão. 

    > Saiba como driblar os riscos dos alimentos contaminados por ratos

    A vespa mandarinia tem uma cabeça larga que se aproxima de um tom claro ao laranja e ainda possui um conjunto de olhos compostos que variam do marrom escuro ao preto. A mandíbula é relativamente grande e tem uma tonalidade laranja forte, com um dente preto que pode ser usado para escavação.

    Seus dois conjuntos de asas se estendem para longe do corpo e a região do ferrão pode atingir até 6 mm, com sua toxina associada é consideravelmente venenosa.

    O acasalamento em vespa mandarinia ocorre durante o outono. Em contraste com outras vespas, a cópula ocorre nas entradas dos ninhos. Assim que a rainha sai do ninho, um macho a prende no ar, e após a cópula, a rainha encontra um lugar para passar o inverno

    Depois da hibernação, uma rainha fertilizada inicia sua colônia na primavera. Depois que a rainha estabelece um ninho rudimentar, ela produz uma ninhada inicial de até 40 ovos, que se torna a primeira geração de operárias. 

    As operárias vivem da primavera ao inverno. Os machos geralmente morrem logo após o acasalamento, no outono. 

    > Estudo mostra que a mudança climática é prejudicial às abelhas

    Os ataques

    A vespa mandarinia é singular por ser a única espécie de vespa a organizar ataques em grupo contra colmeias e outros ninhos de outros tipos de vespas. Esses ataques em grupo podem ser na fase de caça (onde as presas são mordidas até a morte), na fase de ocupação, quando se tornam territoriais e vão ameaçar outros insetos ou animais que se aproximam da colmeia ocupada. 

    Qual é o papel do ecossistema

    A vespa assassina asiática domina as comunidades de seiva de árvores de insetos durante o dia, afetando o comportamento de forrageamento de outras espécies. As espécies menos dominantes devem esperar que a vespa asiática deixe o canteiro ou procurar um canteiro separado em outro lugar. 

    Na verdade, a vespa mandarinia ocupa o posto mais alto na cadeia alimentar de artrópodes, dentro do seu alcance geográfico. 

    No meio da pandemia de Covid-19, muitos norte-americanos ficaram muito preocupados com a notícia de mais uma "praga" em 2020. 

    > Gaslighting: entenda o abuso psicológico da série brasileira "Bom dia, Verônica"

    E no Brasil?

    Não, as vespas asiáticas assassinas não foram encontradas no território a ponto de alarmar a população.

    No entanto, boatos acabaram circulando nas redes sociais de que vespas assassinas, teriam chegado aqui. De forma a tranquilizar as pessoas, os jornais cariocas entrevistaram pesquisadores que afirmaram que não há registros desta espécie no país. Pelo contrário, os insetos que aparecem nesses boatos (em videos viralizados), são de machos de abelhas solitárias, sendo até considerados como inofensivos, pois não possuem nem ferrão. 

    > Como se proteger de um ataque de abelhas

    E você? Quais os cuidados que devemos ter ao andar descalços sobre gramas perto de insetos que podem ferir? Use sempre, independente do ambiente, calçados. Mesmo sem a presença das vespas assassinas, ainda assim, no Brasil, podemos ter as suas espécies nativas, que são também perigosas, se ameaçadas.

    Os bons hábitos de cuidado e higiene podem prevenir ataques, não só a humanos mas também com os nossos animais de estimação. 

    E não se esqueça! Os cuidados com a Covid-19 ainda devem ser redobrados durante a pandemia, lavando sempre bem as mãos antes e depois de brincar ou tocar nos animais.  

    Higienize as mãos com água e sabão após manusear os alimentos e limpar a urina e as fezes do pet. Evite beijar, receber lambidas ou compartilhar alimentos com os animais de estimação.

    Fonte:

    Richards, O. 1971. The biology of social wasps (Hymenoptera, Vespida). Biological Reviews, 46/4: 483-528.

    Ross, K., R. Matthews. 1991. The Social Biology of Wasps. Ithaca, NY: Cornell University Press.

    Schmidt, J., S. Yamane, M. Matsuura, C. Starr. 1986. Hornet venoms: Lethalities and lethal capacities. Toxicon, 24/9: 950-954.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas