nsc
nsc

Agronegócio

A força do agro: projetos de investimentos agroindustriais somam mais de R$ 5,5 bilhões em SC

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
17/07/2021 - 06h32 - Atualizada em: 03/08/2021 - 09h22
brf-videira
Unidade da BRF em Videira, no Oeste do Estado (Foto: Edelcio Lopes, BRF, Divulgação)

Santa Catarina tem o segundo parque industrial mais diversificado do Brasil e um dos mais competitivos. Os maiores investimentos e exportações são concentrados no setor agroindustrial, pelo perfil dos negócios e atuação global. Projetos revelados pelas próprias companhias e em fase de execução no Estado somam R$ 5,787 bilhões para um período médio de três anos.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

As protagonistas são empresas do setor de carnes, madeiras, embalagens de papel, lácteos e outros. Considerando dois projetos futuros já adiantados, a cifra chega a R$ 8,24 bilhões, o que mostra a necessidade de capital intensivo a esses segmentos. Entre os novos projetos está a produção de alimentação PET pela Nestlé em Vargeão, e a Cooperalfa fará óleo de soja para diversificar a produção. 

O setor agroindustrial conta com parque fabril bem distribuído nas diversas regiões de Santa Catarina, com efeito positivo em toda a economia, em especial na criação de empregos diretos e indiretos. Essa é uma das razões pelas quais SC ostenta a menor taxa de desemprego do país há anos, hoje em 6,2%.

instimentos-agronegocio-sc-2024
Confira os investimentos mapeados pela coluna
(Foto: )

O presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, explica que a indústria tem a capacidade de desenvolver também os setores de serviços e de comércio, por isso é fundamental para o desenvolvimento econômico e social, com mais geração de riquezas. As agroindústrias de SC são relevantes também ao mercado internacional, com vendas para mais de 150 países. Em 2020, o setor respondeu por 70% do faturamento das exportações do Estado. Do total de US$ 8,1 bilhões em vendas externas, US$ 5,7 bilhões vieram principalmente de vendas de empresas de carnes, madeiras e papeis. 

A BRF, uma das maiores agroindústrias de carnes do mundo, que tem sede oficial em Itajaí, faz um dos maiores investimentos diretos no Estado em 2021. Anunciou projetos que somam R$ 643 milhões com a criação de 409 postos de trabalho diretos. 

> Startup de SC desenvolve máquina para produzir bioplástico a partir do milho

O complexo industrial de Concórdia, que é o maior da companhia e se parece com uma cidade, está com projeto de expansão da produção de ingredientes e fatiados curados, onde estão sendo criados 107 novos empregos. Em Videira, berço da primeira marca da BRF, a Perdigão, será instalada nova fábrica de linguiça cozida, com a geração de 250 novos postos de trabalho. E na unidade de Capinzal será implantada unidade de empanados, com 52 novos empregos.

> Veja as últimas notícias da economia em Santa Catarina

Com plano de duplicar de tamanho em 10 anos, a BRF investe alto e rápido também em outros estados do Brasil e no exterior. Os investimentos totais anunciados este ano somam R$ 2,290 bilhões, sendo R$ 1,472 bilhão em outros estados e US$ 54 milhões (R$ 275 milhões) na Arábia Saudita e Turquia. No Brasil, além de Santa Catarina, a companhia organiza expansões maiores em Mato Grosso (R$ 670 milhões), R$ 319 milhões em Minas Gerais e R$ 292 milhões no Paraná.

> Quem é o vendedor catarinense que se tornou um dos maiores empresários do país

O Grupo JBS, dono da Seara em SC, está investindo R$ 180 milhões em unidade de biodiesel no município catarinense de Mafra. A obra começou em meados do ano passado e, quando entrar em operação, vai gerar 100 empregos diretos. A companhia preferiu não informar outros investimentos nas agroindústrias de carnes porque não estavam todos contabilizados.

Aurora e Pamplona destinam mais de R$ 1 bilhão em ações de expansão

A Aurora Alimentos, central de cooperativas que reúne mais de 70 mil produtores rurais, está investindo R$ 482 milhões na expansão da capacidade produtiva em Santa Catarina este ano. Considerando um prazo mais longo, os projetos somam R$ 1,435 bilhão, incluindo expansão em Erechim (RS), e vão gerar 5.417 novos empregos diretos. 

O maior projeto em andamento é a ampliação do frigorífico no município de Guatambu, em SC. Nessa primeira fase, estão sendo investidos R$ 280 milhões. O projeto total, segundo o presidente da coopercentral, Neivor Canton, será de R$ 560 milhões, com a contratação de 3.013 pessoas. A unidade terá capacidade para abater 409 mil aves por dia e contará com acréscimo de 450 cooperados fornecedores.

> Veja 10 mandamentos para prosperar financeiramente

Outro investimento de peso da Aurora é na fábrica de empanados, que começa com R$ 97,5 milhões, mas vai chegar a R$ 517 milhões em breve. A unidade está criando 507 novos postos de trabalho diretos. Em Maravilha, outro município do Oeste de SC, a coopercentral está investindo R$ 58 milhões agora, mas ampliará para R$ 120 milhões nos próximos anos. Em incubatório para aves, a empresa está destinando R$ 45 milhões em mais de um ano. 

A agroindústria Pamplona, de Rio do Sul, no Vale do Itajaí, concentra atividades na produção e industrialização de carne suína. Segundo a presidente da companhia, Irani Pamplona Peters, a partir deste ano até 2024, serão investidos R$ 600 milhões na expansão das unidades de Rio do Sul e Presidente Getúlio. As estimativas são de abertura de 1.235 empregos diretos e 5 mil indiretos.

> Vendas de imóveis seguem aquecidas com influência do crédito e da pandemia

O maior montante de recursos, R$ 445 milhões, será destinado para Presidente Getúlio, onde serão gerados 850 empregos diretos. Conforme a empresária, R$ 125 milhões serão destinados para ativo biológico e capital de giro. O plano prevê modernização da armazenagem e, depois, duplicação do abate e desossa, com incremento de 2.640 suínos por dia. 

– A unidade aumentará o volume de produtos aos mercados mais exigentes, como dos do Japão, Coreia e Chile. Além disso, vai buscar novos mercados (México, Estados Unidos e Canadá). Em 2020, as exportações representaram cerca de 49% do nosso faturamento, sendo o maior volume para o mercado asiático, contribuindo para a consolidação de um balanço positivo do período – informa Irani.

> Pedidos de seguro-desemprego em SC caem 28% em 2021

Na planta de Rio do Sul, a companhia destinará R$ 155 milhões para ampliar a produção de itens processados como linguiças frescais e cozidas, fatiados, defumados e temperados. O plano é atender consumidores que preferem comprar porções menores.

– Acreditamos que a retomada de consumo acontecerá a partir deste ano de 2021. Em linha com as expectativas do aumento do PIB brasileiro, estamos preparando a empresa para atender os tradicionais consumidores e os novos que irão buscar não só por qualidade, mas também praticidade para o seu dia a dia – projeta Irani.

Indústrias de madeira e papel crescem em SC

Com solo fértil e clima favorável ao rápido desenvolvimento de pinus e eucalipto, Santa Catarina se consolidou, nas últimas décadas, como destino de elevados investimentos na produção de madeiras para construção civil, placas de MDF, papel e celulose, além de móveis. Apesar da elevada demanda no mercado interno, as exportações são crescentes.

O maior projeto em andamento é o da paranaense Berneck, em Lages, um investimento de R$ 1,4 bilhão. A instalação começou em 2020 e será concluída até o final do ano. A unidade vai gerar 600 empregos diretos e até 1,5 mil indiretos. A companhia antecipou que a capacidade produtiva será de até 570 mil metros cúbicos de MDF e 450 mil metros cúbicos de madeiras serradas por ano.

> Projeto de R$ 640 milhões fortalece oferta de energia em Florianópolis

Outro investimento de empresa do Paraná em SC é o da Guararapes, em Caçador, de R$ 750 milhões. Vai duplicar a capacidade produtiva de MDF e placas compensadas, destinadas ao Brasil e exterior. Serão criados 200 novos empregos diretos e até 800 indiretos. A capacidade produtiva vai subir de 600 mil metros cúbicos por ano para 1,070 milhão, praticamente o dobro. 

Tradicional fabricante de embalagens de papel, a gaúcha Irani está executando em Vargem Bonita investimento de R$ 714 milhões anunciado em meados de 2020.

Base firmada com migrantes e assistência técnica, diz analista

A vocação agroindustrial de Santa Catarina começou na colonização e foi se aperfeiçoando, afirma o analisa do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa) da Epagri, Luiz Toresan. Segundo ele, colaboraram para o momento atual, a capacidade de trabalho das empresas e pessoas, tecnologias de ponta, a assistência técnica permanente do Estado, o modelo de pequena propriedade, a integração produtiva e o cooperativismo.

– O desenvolvimento agroindustrial catarinense começou com a própria colonização fundamentada na pequena propriedade. O Estado recebeu colonizadores, a maioria de descendência europeia, que vieram principalmente do Rio Grande do Sul para ganhar a vida em Santa Catarina. Isso criou as bases perfeitas para o desenvolvimento da agroindústria de carnes no Oeste, que começou com a Sadia e Perdigão, hoje marcas da BRF. Depois, vieram a Aurora e a Seara – destaca Toresan.

> Exportações de SC crescem 15,6% no primeiro semestre

Conforme o analista, que acompanha em detalhes a evolução do agronegócio no Estado, o desenvolvimento da suinocultura foi um segmento que contou, por anos, com apoio técnico intensivo do governo do Estado. Outros setores também foram impulsionados pelo setor público como a maçã, vitivinicultura e maricultura. 

Para Toresan, tanto o presente quanto o futuro das agroindústrias do Estado são promissores pela qualidade, tecnologias empregadas nos processos e presença em mercados.

Leia também:

> Conheça as praias de SC que podem ser afetadas pela exploração de Petróleo

> Pós-pandemia: Turismo de SC aposta em temporada de verão com mais movimento

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas