A economia brasileira encerrou o terceiro trimestre com variação positiva, alta de 0,1% frente ao trimestre anterior. Surpreendeu porque a maioria do mercado esperava -0.2%. Mas a retração da taxa de investimento para 16,6% frente a 18,3% no mesmo período do ano anterior preocupa porque mostra que o setor produtivo está pessimista.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Os dados do PIB do Brasil do terceiro trimestre foram divulgados pelo IBGE nesta terça-feira (05). Frente ao mesmo período de 2022, cresceu 2,0% e no acumulado dos últimos quatro trimestres (12 meses) o PIB cresceu 3,1%, com impulso maior do agronegócio no primeiro trimestre do ano. Neste ano, a alta alcançou 3,2%.

O PIB do terceiro trimestre frente ao imediatamente anterior resultou da queda de -3,3% da agropecuária, alta de 0,6% da indústria, alta de 0,6% dos serviços, aumento de 1,1% do consumo das famílias e alta de 0,5% do consumo do governo. As exportações de bens e serviços cresceram 3% e as importações caíram -2,1%.

A taxa de investimento resulta das aquisições de bens de capital (máquinas e equipamentos) por parte das empresas e vendas de materiais de construção.

Continua depois da publicidade

Se essa taxa cai, mostra que o setor empresarial está investindo menos porque confia menos no presente e no futuro da economia. Isso significa retração de atividade econômica, de receitas e de empregos. O ideal para o Brasil seria taxa de investimento acima de 25% do PIB e não os 16,6% registrados.

A taxa de poupança, que também ajuda nos investimentos, ficou em 15,7% no terceiro trimestre de
2023. Foi menor do que a do mesmo período de 2022, que estava em 16,3%.

Nessa divulgação, o IBGE também aproveitou para informar que atualizou o PIB do segundo trimestre, que havia fechado com alta de 0,9%. Agora, foi revisada para 1%.

Os PIBs estaduais saem mais de um ano depois. Mas a cada trimestre, o governo de Santa Catarina, por meio da Secretaria de Planejamento, faz uma estimativa em trabalho coordenado pelo economisa Paulo Zoldan. A ultima projeção foi do segundo trimestre deste ano, quando apontou alta de 4,2% dio PIB catarinense no período acumulado de 12 meses até junho. O Brasil cresceu 3,1% em 12 meses até setembro último.

Continua depois da publicidade

Leia também

Governo de SC divulga decreto do Pronampe Emergencial para empresas atingidas pelas enchentes

Congresso de engenharia mecânica em Florianópolis tem apresentação de 1.250 trabalhos

Presidente da Fiesc visita fábrica da BRF nos Emirados Árabes Unidos

Totvs faz mais uma aquisição milionária de empresa de tecnologia de SC

Em evento de fim de ano, Acif destaca avanço no número de associados e de projetos

BRDE assina na COP28 adesão aos Princípios da ONU para serviços financeiros sustentáveis

Durante a COP28, Décio Lima sugere um Desenrola para micro e pequenas empresas

Presidente da Fiesc e diretor da WEG falam sobre hidrogênio verde após painel na COP28

Publicidade

Além de muita informação relevante, o NSC Total e os outros veículos líderes de audiência da NSC são uma excelente ferramenta de comunicação para as marcas que querem crescer e conquistar mais clientes. Acompanhe as novidades e saiba como alavancar as suas vendas em Negócios SC

Destaques do NSC Total