nsc
    nsc

    Justiça Eleitoral

    Ataques a candidatos nas redes sociais marcam pré-campanha nas Eleições 2020 em Blumenau

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    24/09/2020 - 11h49 - Atualizada em: 24/09/2020 - 12h03
    Redes sociais serão ferramenta essencial para que os eleitores informem-se sobre as candidaturas
    Redes sociais serão ferramenta essencial para que os eleitores informem-se sobre as candidaturas (Foto: Felipe Carneiro, BD, NSC Total)

    A campanha das Eleições 2020 começa apenas no domingo (27), mas o período pré-eleitoral já indicou onde a disputa por votos em Blumenau será mais renhida. Enquanto em campanhas anteriores a Justiça Eleitoral precisava ocupar-se de adesivos, placas, outdoors e discursos presenciais, desta vez a arena são as redes sociais. Ao menos três páginas anônimas já tiveram conteúdos excluídos por infringirem a legislação das eleições.

    > Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp. É só clicar aqui.

    A última delas foi na terça-feira (22). A juíza Cíntia Gonçalves Costi mandou o Facebook derrubar conteúdos que atacavam o candidato a prefeito João Paulo Kleinübing (DEM) no perfil Endireita Blumenau. Um dos posts dizia que Kleinübing fora condenado no âmbito da Operação Tapete Negro, o que não é verdade. Foi o primeiro caso em que a expressão fake news apareceu.

    Nas outras duas situações desta pré-campanha, perfis foram excluídos por propaganda eleitoral negativa antecipada. É outro advento das redes sociais, até pouco tempo atrás só se falava em propaganda extemporânea a favor.

    Num dos casos, a campanha do candidato à reeleição Mário Hildebrandt (Podemos) solicitou a exclusão de conteúdos que o criticavam no perfil Halley MX, além de um grupo de Whatsapp organizado para distribuir conteúdos contra o prefeito. No outro, Kleinübing solicitou a retirada de conteúdos críticos dos perfis Capivara Linguaruda no Instagram e no Facebook.

    Nos dois casos que envolveram a campanha do Democratas, além da exclusão dos conteúdos, a Justiça Eleitoral ordenou que o Facebook revelasse os autores, escondidos sob pseudônimos. Descobriu-se que o perfil Capivara Linguaruda era mantido por um assessor do deputado estadual e também pré-candidato a prefeito Ricardo Alba (PSL). No episódio mais recente, a identidade do autor ainda não foi revelada.

    Anonimato

    Redes sociais serão ferramenta essencial para que os eleitores informem-se sobre as candidaturas a prefeito e a vereador neste ano. Com a pandemia de coronavírus restringindo eventos presenciais e o horário eleitoral gratuito dividido entre 12 candidatos — seis deles com menos de 20 segundos diários —, a maioria do eleitorado tende a receber por Facebook, Instagram e Whatsapp os conteúdos sobre eleições.

    É triste que, ainda na pré-campanha, a Justiça Eleitoral tenha de intervir sobre a liberdade de manifestação para impedir que o anonimato sirva de proteção a abusos. Infelizmente, não há razão para esperar que o nível melhore à medida em que o dia da votação se aproxima. Dependerá também do eleitor o esforço de filtragem do que é ou não crível.

    Leia também sobre Eleições 2020:

    > Decisão da Globo reduz chance de haver debate no primeiro turno em Blumenau

    > O impacto do impeachment de Carlos Moisés nas Eleições 2020 em Blumenau

    > Seis candidatos terão 85% do tempo de TV em Blumenau; seis, menos de 20 segundos

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas