O apoio ao projeto de reeleição de Carlos Moisés (Republicanos) é a pá de cal na relação de Mário Hildebrandt (Podemos) com o bolsonarismo. Assim como o governador catarinense, o prefeito de Blumenau está definitivamente afastado de Jair Bolsonaro (PL). Não que ambos fossem próximos, mas tentar colar a imagem à popularidade do presidente no Estado soava como estratégia política certeira. Funcionou para Moisés em 2018, deu certo para Hildebrandt nas últimas eleições municipais. Agora parece não fazer mais sentido.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Em fevereiro de 2020, Hildebrandt surgia ao lado do prefeito de Balneário Camboriú, Fabricio Oliveira (hoje seu correligionário no Podemos), defendendo o Aliança pelo Brasil, partido então idealizado por Bolsonaro – e que no fim das contas não vingou por falta de assinaturas necessárias para a criação da nova legenda. Um mês depois, a pandemia estourava no Brasil. Os desdobramentos da crise sanitária sem precedentes acabaram evidenciando as diferenças entre os dois, que se tornaram maiores do que as semelhanças.

Enquanto Bolsonaro atacava governadores e prefeitos por restrições impostas à economia, Hildebrandt evitava embarcar na polêmica. Se de um lado o presidente questionava e sabotava a vacinação contra a Covid-19, do outro o prefeito pregava a importância da imunização. As divergências foram além da maneira de como conduzir a pandemia quando, a uma plateia formada por empresários e representantes dos setores de turismo e eventos, em maio do ano passado, o chefe do Executivo blumenauense reclamou que a região estava esquecida pelo governo federal. Ele se referia ao atraso das obras de duplicação da BR-470.

Neste meio tempo, um acuado Moisés, por duas vezes afastado do comando do Estado em processos de impeachment, mudou a forma de fazer política. Selou alianças com legendas antes antagonistas para garantir a sustentação do governo, abriu as portas para prefeitos e intensificou o diálogo com associações e entidades de classe. Com os cofres catarinenses cheios, passou a distribuir recursos para municípios e a anunciar grandes investimentos, como os R$ 300 milhões para a BR-470 e o Plano 1000.

Continua depois da publicidade

O caixa reforçado do Estado acabou fazendo da adesão de Hildebrandt – e de outros prefeitos do Médio Vale sob sua liderança – à campanha de Moisés uma escolha pragmática e fácil, pelos dividendos políticos que a injeção de recursos em obras sempre traz. Se for questionado sobre o presidente da República, o prefeito de Blumenau pode até manter o discurso comum de defesa de uma economia liberal e conservadorismo nos costumes.

O eleitorado mais fiel do bolsonarismo, no entanto, tende a não relativizar o palanque oferecido por Hildebrandt ao principal adversário de Jorginho Mello (PL), o candidato de Bolsonaro, na disputa pelo governo de Santa Catarina. Para estes, ir na contramão do que defende o presidente é um caminho sem volta.

Aliás

Carlos Moisés (Republicanos) virá duas vezes a Blumenau até o fim de junho. No dia 22, assina cerca de 15 ordens de serviços para obras de pavimentações de ruas, construções de pontes, macrodrenagens e contenções. No dia 28, libera o início da construção do Centro de Convenções. O governador nunca esteve tão presente na cidade. Reflexo das eleições deste ano e do espaço cedido pelo prefeito Mário Hildebrandt (Podemos).

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Continua depois da publicidade

Leia também

Blumenau busca área no bairro Garcia para “novo Parque Ramiro Ruediger”

Conselho veta construção de heliponto na Rua XV de Novembro em Blumenau

Dez anos após comprar a catarinense Salfer, Ricardo Eletro tem falência decretada

UFSC busca área para ampliar campus de Blumenau

Reforma em imóvel no Centro de Blumenau prevê laje com estacionamento e restaurante​​

Dona da Dudalina quer trocar parte de dívida bilionária por ações​​

Empresas que projetam novo shopping em Blumenau intensificam buscas por investidores

Destaques do NSC Total