nsc
nsc

Economia

Leilão tenta dar novo destino ao que sobrou de centenária empresa de SC que faliu

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
23/11/2021 - 05h00
Lista de bens inclui galpões e a antiga sede da Buettner em Brusque
Lista de bens inclui galpões e a antiga sede da Buettner em Brusque (Foto: Divulgação)

Vão a leilão pela terceira vez desde 2019 um conjunto de bens que pertenciam à Buettner, uma das centenárias indústrias têxteis catarinenses que sucumbiu a crises do setor e teve a falência decretada em 2016. São 54 ativos, incluindo a sede da antiga empresa, em Brusque, e terrenos também em Botuverá e Guabiruba.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Somados, os bens estão avaliados em R$ 141 milhões, mas podem ser arrematados por metade deste valor – o lance mínimo é de 50%, equivalente a R$ 70,5 milhões – na primeira tentativa de venda, marcada para esta quinta-feira (25). Na praça de abertura, os ativos formarão um único lote. Ou seja, quem quiser terá de levar tudo, o que torna a alienação pouco provável, dado o histórico.

> A empresa de SC que nasceu com um computador na era da internet discada e será protagonista no 5G

Se o desinteresse se confirmar, nova tentativa de venda acontecerá no dia 2 de dezembro, com outras condições. O lance mínimo sobe para 65% do valor de avaliação, mas os bens estarão divididos em 12 lotes, tornando o investimento mais acessível para quem não quer o pacote completo.

O pagamento poderá ser feito à vista ou parcelado em até 36 vezes, de acordo com o valor dos lances, no caso de lotes específicos. Alguns dos imóveis estão locados. Se eles forem arrematados, os inquilinos precisarão deixá-los em até 30 dias. O bem mais caro da lista é o complexo fabril, instalado no bairro Bateas e avaliado em R$ 33,3 milhões.

Representantes de potenciais investidores de Santa Catarina e do Paraná já teriam sondado os imóveis, apurou a coluna. A conferir se desta vez, enfim, sai negócio.

Fundada em 1898 em Brusque, a Buettner e se tornou um dos ícones da indústria de produtos de cama, mesa e banho de Santa Catarina. Em 2011, depois de anos de crise, entrou em recuperação judicial, convertida em falência no ano seguinte. A Justiça chegou a anular a medida, mas novo decreto de falência foi publicado em 2016.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Empresa gaúcha de refrigerantes abre novo centro de distribuição em Blumenau

Carta aberta ao Concurso Brasileiro de Cervejas reacende debate sobre racismo no setor

Segunda maior casa enxaimel de Blumenau vai ganhar anexo para ser concedida à iniciativa privada

Malwee reforça na COP-26 o papel de protagonista no debate ambiental na indústria​​

Natal em Blumenau tem potencial para ser a Oktoberfest de novembro e dezembro​​​​​​

Laboratório Hemos de Blumenau é vendido por R$ 35 milhões a gigante nacional da medicina

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas