nsc
nsc

CONCESSÃO A CAMINHO

Quanto o Mercado Público de Blumenau deve gerar de lucro para o investidor

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
25/10/2021 - 18h26
Projeto prevê dois pavimentos, com espaço para 34 boxes
Projeto prevê dois pavimentos, com espaço para 34 boxes (Foto: Divulgação)

Anunciado no último sábado pela prefeitura de Blumenau, o edital de concessão do tão esperado Mercado Público da cidade detalha, em um estudo de viabilidade financeira, alternativas de fontes e projeções de receitas que fariam a construção e a manutenção da estrutura mais atratativa para investidores privados. É um quebra-cabeças que atrasou o lançamento da licitação e exigiu adaptações no projeto original, que acabou ficando maior do que o previsto – passou de 7,4 mil para quase 12 mil metros quadrados.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Planilhas de fluxo de caixa que acompanham o estudo sugerem que, para o concessionário, o Mercado Público vai gerar um lucro de cerca de R$ 23 milhões ao final dos 35 anos de concessão, descontada a inflação do período. A conta – que é uma projeção diluída no tempo – inclui o dinheiro que entraria com a locação de 34 boxes de produtos e serviços, exploração de estacionamento com 268 vagas, cessão de naming rights e locação de espaços para eventos. Os atuais feirantes da Feira Livre terão lugar garantido no térreo do empreendimento.

Pelo cronograma planejado, a operação se tornaria superavitária a partir do sexto ano e o investimento de R$ 25,3 milhões previsto nas obras, custeadas totalmente com recursos privados, pagaria-se em duas décadas. Restariam, portanto, 15 anos adicionais para o concessionário fazer caixa.

Em contrapartida, o estudo também indica o retorno aos cofres públicos que a estrutura proporcionaria. O cálculo aponta uma geração de impostos de R$ 42,6 milhões ao longo dos 35 anos de concessão. O caixa municipal também seria abastecido com o valor da outorga, ou seja, o lance mínimo dos interessados em disputar a concorrência.

Pelo edital, a oferta deve ser de pelo menos R$ 22 mil por ano, valor a ser anualmente corrigido pela inflação. É uma quantia irrisória dada a localização – no atual terreno da Feira Livre, ao lado da Vila Germânica e do Galegão – e o potencial turístico do empreendimento. Neste caso, o valor baixo compensaria os grandes investimentos e os custos de manutenção, que ficariam a cargo do parceiro privado, defende o município.

A expectativa agora é se as condições colocadas serão suficientes para dar jogo. Até o início da tarde desta segunda-feira (25), o edital ainda não havia sido oficialmente publicado. Feito isto, será aberto o prazo para apresentação de propostas. Superadas as etapas burocráticas, a empresa vencedora terá prazo de um ano, a partir da aprovação final dos projetos, para construir tudo.

Leia também

Fundo que investiu no Burger King vai acelerar expansão de empresa de Blumenau

Festival Brasileiro da Cerveja dentro da Vila Germânica ainda depende do “sim” da saúde​

Calçadão Brueckheimer em Blumenau pode ganhar cobertura

Ponto do antigo Butiquin Wollstein em Blumenau dá lugar à cafeteria de rede gaúcha

Condomínio de luxo em Gaspar terá quase 30 mil m² de lagos artificiais​​​​

Projeto prevê restaurante em terreno com casa histórica no Centro de Blumenau​​

50 propagandas antigas de Blumenau que parecem estranhas, mas que já fizeram sentido

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas