nsc
dc

Pandemia

Brasil passa de 200 mil mortos por Covid-19

Boletim do Ministério da Saúde foi divulgado nesta quinta-feira

07/01/2021 - 21h42 - Atualizada em: 07/01/2021 - 21h47

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Por Agência Brasil
Cemitério Campo da Esperança, Brasília
Com mais de 200 mil mortes por Covid-19, Brasil se torna segundo país no mundo com mais óbitos na pandemia
(Foto: )

O Brasil superou a marca de 200 mil mortes por Covid-19 nesta quinta-feira (7). Segundo o Ministério da Saúde, nas últimas 24 horas foram registrados 1.524 novos óbitos, o que elevou para 200.498 o total de óbitos. Foi o segundo dia com mais mortes notificadas durante todo o período de pandemia, perdendo apenas para 29 de julho, quando foram confirmadas 1.595 novas vítimas. Ainda há 2.543 óbitos sob investigação.

Uma das famílias brasileiras atingidas pelo coronavírus é a de Tiago Cária Sartini, 38 anos. Bastaram apenas 72 horas para que a vida dele mudasse para sempre. No intervalo de três dias, o engenheiro perdeu o pai e a mãe para Covid-19. 

> SC tem casos ativos de coronavírus em 95% das 295 cidades

> Dagmara Spautz: Com meio milhão de infectados, SC precisa estabelecer quantas vidas ainda pode salvar

José Luiz Sartini, 73, e Maria das Graças Cária Sartini, 69, tomavam todos os cuidados possíveis para evitar o contágio. Não foi o suficiente. 

— Qualquer um que minimize essa doença tem, no mínimo, um déficit cognitivo — diz o filho. 

> Ministro da Saúde anuncia contrato para 100 milhões de doses da vacina CoronaVac

Ambos fazem parte da triste marca que o Brasil atinge nesta quinta. Após dez meses desde o registro da primeira vítima por aqui, em 16 de março, o país contabiliza 200 mil mortes pela doença e uma série de erros no combate à pandemia, alguns deles passíveis de responsabilização do presidente da República, apontam especialistas em saúde pública e direito. 

Somos o segundo país do mundo com mais óbitos em números absolutos, atrás apenas dos Estados Unidos (EUA). E, assim como lá, a condução do combate à pandemia por aqui rendeu e continua a render críticas. Se o agora quase ex-presidente americano Donald Trump desdenhou e minimizou os efeitos do novo coronavírus em seu país, a gestão Jair Bolsonaro (sem partido) não fez diferente e até seguiu alguns exemplos, apontam os especialistas.

> Morte de menino de 9 anos por coronavírus em SC comove familiares: “Vá alegrar o céu, Davi”

Negacionismo, pouco-caso, incompetência, crimes contra a saúde da população e violações de tratados internacionais que colocaram o Brasil em uma situação tão delicada quanto vexaminosa são apenas alguns dos erros apontados - por ação ou omissão - que pesam contra o governo brasileiro. Isso, de acordo com a opinião de quem desde o início vive, estuda e tenta minimizar os efeitos da pandemia.

— Após o período de gestação dessa pandemia, parimos um rebento com muitos e diferentes defeitos congênitos. Alguns indeléveis — diz a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo, uma das profissionais de saúde mais atuantes durante a pandemia.

> Cidades de SC vão negociar mais doses da CoronaVac após anúncio da eficácia

Às 22h30 da véspera do dia em que o Brasil chegaria à nova marca recorde de óbitos, logo após terminar mais um laudo de uma vítima da Covid-19, pouca coisa ainda parecia fazer sentido para ela. 

— Ninguém se recupera de 200 mil mortes.

A percepção dos familiares das vítimas não é muito diferente. 

— Negar a doença, colocar empecilhos para o tratamento, falar que o sujeito "vira jacaré" [se tomar a vacina], isso tudo é desinformar a população — diz Tiago, ele próprio eleitor de Bolsonaro no segundo turno em 2018. — O pior é que muita gente sai replicando isso. 

> O Brasil está quebrado? Especialistas de SC respondem

O efeito disso é que, assim como as mortes se avolumaram, as informações sobre mandos e desmandos do governo federal no curso da pandemia se sucederam em velocidade assustadora. 

— São crimes de responsabilidade e contra a saúde pública passíveis de punição aqui e no Tribunal Penal Internacional — diz a professora aposentada da USP Sueli Dallari, especialista em direito sanitário.

> Vacina da Covid em Florianópolis: locais, seringas, freezers e o que se sabe até agora

Após o país atingir 200 mil mortos pela Covid-19, o Ministério da Saúde divulgou uma nota em que lamenta as mortes, diz se solidarizar com as famílias em nome do presidente Jair Bolsonaro e pede união contra o coronavírus. "Para nós, servidores do Ministério da Saúde, não é um momento só de pesar. É também momento de reflexão e de unir forças, para que todos os dias possamos trabalhar empenhados na solução dessa pandemia", afirma a mensagem.

Em meio às críticas de atraso do governo em adotar medidas contra a doença, a nota diz que o ministério "está trabalhando incansavelmente, acompanhando pesquisas científicas e reforçando diálogos entre o Brasil e outros países para garantir vacinas seguras e eficazes à população." 

> Volta às aulas em SC: confira como e quando será a retomada nas escolas públicas e particulares

O texto também faz um agradecimento ao trabalho de profissionais de saúde e, sem citar datas, finaliza dizendo que a pasta se preparar para o lançamento "da maior campanha de vacinação de combate ao coronavírus, a fim de evitar a perda de mais vidas". 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, por sua vez, lamentou as 200 mil mortes registradas e se solidarizou com amigos e familiares "desta pandemia que assola o país e o mundo". 

— O Supremo Tribunal Federal e o Conselho Nacional de Justiça continuarão, como vêm fazendo desde o início da pandemia, atuando para ajudar a sociedade brasileira a mitigar danos e impactos desta tragédia humanitária — afirmou.

*Por Emilio Sant'Anna.

Leia mais

> Procon SC descobre anúncio falso de venda de Coronavac

​> Florianópolis tem queda de 33% em casos ativos de coronavírus em 15 dias; veja situação por bairro​

> Carreta da youtuber Sheila Bellaver tomba na BR-101, em Santa Catarina

Colunistas