nsc
dc

Saúde

Vacina da Covid-19 chega a SC nesta segunda-feira; como será a distribuição

Doses serão enviadas aos estados a partir das 7h desta segunda; entrega aos municípios deve ocorrer em até 24h para início da vacinação na quarta-feira

17/01/2021 - 19h21 - Atualizada em: 18/01/2021 - 09h28

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Vacinas contra o coronavírus serão distribuídas aos estados a partir desta segunda-feira
Vacinas contra o coronavírus serão distribuídas aos estados a partir desta segunda-feira
(Foto: )

A autorização do uso de duas vacinas contra o coronavírus no Brasil foi o primeiro passo para o início da campanha de vacinação no país. A imunização em Santa Catarina e nos demais estados deve começar na quarta-feira (20), às 10h. Até lá, os esforços vão envolver a distribuição das doses do governo federal até os municípios. Em São Paulo, um grupo de 112 pessoas já foi imunizado neste domingo (17), incluindo a primeira vacinada do Brasil, a enfermeira Mônica Calazans, e a vacinação deve continuar já nesta segunda-feira.

> Vacinação contra a Covid-19 em SC pode começar nesta segunda

Distribuição para os estados

O próximo passo será o início da distribuição das doses da CoronaVac. Uma cerimônia com os governadores deve ocorrer nesta segunda-feira (18), às 7h, para marcar a entrega simbólica das primeiras doses. O governo de Santa Catarina informou que o secretário de Saúde, André Motta Ribeiro, vai acompanhar o ato, que ocorre no centro de distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP).

A partir daí, aviões e caminhões refrigerados vão enviar as doses para o que o Ministério da Saúde chamou de pontos focais nos estados. A pasta afirmou que a operação teria apoio de uma frota de 100 caminhões, além de companhias aéreas e da Força Aérea Brasileira (FAB). Nessa fase, o transporte terá escolta da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal. Em SC, governo federal e estadual ainda não informaram onde as doses devem ser entregues. A tendência é que o local seja o almoxarifado da Secretaria de Estado da Saúde, em São José, na Grande Florianópolis.

A partir daí, na segunda e na terça-feira, a missão deve ser a conferência e o repasse das doses do governo do Estado para os municípios de Santa Catarina. Na semana passada, o governo estadual informou que pretende distribuir as vacinas para os municípios em até 24 horas após recebê-las. Nesta fase, a escolta deve ficar a cargo de órgãos de segurança estadual, como a Polícia Militar. Nas regiões mais próximas à Capital, o transporte deve ser feito por rodovia, mas em áreas mais distantes, como o Oeste, aeronaves podem ser usadas no envio das doses.

> Primeira vacinada contra o coronavírus no Brasil é enfermeira de SP

> Vacinas da Covid-19 terão escolta e devem ser entregues às cidades de SC em 24 horas

Início da vacinação nos municípios

Com as vacinas entregues aos municípios, a intenção do governo federal é iniciar a campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 na quarta-feira(20), às 10h, de forma simultânea em todo o país. Os municípios devem elaborar planos municipais de imunização, que definem os locais em que as vacinas serão aplicadas, se haverá algum critério adicional de seleção das pessoas que receberão as doses e outros detalhes da estratégia para a imunização.

Cidades como Florianópolis, Blumenau e Criciúma trabalham na conclusão dos seus planos, que devem ser apresentados nos próximos dias. Outras como Joinville e São José já definiram como será o esquema de vacinação nos municípios. Os municípios também informam ter estoque de seringas e agulhas para iniciar as imunizações. Na semana passada, o governador Carlos Moisés também afirmou ter nos almoxarifados “todos os insumos necessários para executar as quatro primeiras fases definidas pelo Ministério da Saúde”.

> Como será a distribuição das vacinas contra o coronavírus em Santa Catarina

No Twitter, neste domingo, Moisés disse que a rede de saúde e logística do Estado está mobilizada para a vacinação. Ele avaliou que a aprovação das vacinas é "uma conqusta muito importante", mas recomendou responsabilidade e cuidado até que todos alcancem a imunização.

> Vacinação contra Covid-19: como as maiores cidades de SC planejam a imunização

​> Vacina da Covid em Florianópolis: locais, seringas, freezers e o que se sabe até agora

Critérios e quantidade de vacinas por cidade

A distribuição das doses irá obedecer a proporção de população pertencente aos grupos de risco de cada estado. A promessa do Ministério da Saúde era divulgar ainda neste domingo a quantidade que cada unidade da federação receberá, mas até as 18h30min esses números ainda não haviam sido divulgados. O ministro Eduardo Pazuello informou que seria incluída também uma taxa de risco para destinar mais doses a regiões com cenário mais crítico de casos e mortes por Covid-19.

O Ministério da Saúde conta com 6 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. No entanto, aproximadamente 1,4 milhão doses devem ficar com o Estado de São Paulo, obedecendo esse critério. Assim, sobrariam 4,6 milhões de doses para serem distribuídas pela União a partir desta segunda-feira. Para obter proteção são necessárias duas doses da vacina, que devem ser administradas em um intervalo de 14 a 28 dias entre a primeira e a segunda dose.

​> ‘Vamos ser vacinados e continuar tendo que usar máscaras’, diz pesquisadora

Espera por vacina de Oxford

O Brasil também tem contrato de compra de doses da chamada vacina de Oxford, desenvolvida pela Fiocruz em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório Astrazeneca, da Inglaterra. No entanto, a autorização do uso emergencial concedida neste domingo pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) envolve um lote de 2 milhões de doses que será importado de um laboratório parceiro da Índia, enquanto não há imunizantes prontos entre os produzidos no Brasil pela Fiocruz. Os 2 milhões de doses deveriam ter sido trazidos para o Brasil na semana passada, mas o governo indiano recuou e não deu prazo para a liberação dessas vacinas. Com isso, enquanto o impasse não é resolvido, o início da vacinação no país deve ocorrer apenas com as doses disponíveis da CoronaVac.

> ​Astrazeneca e CoronaVac: as diferenças entre as vacinas da covid-19 em SC

Grupos vacinados na primeira fase

O Plano Nacional de Vacinação e o cronograma estadual preveem que a vacinação vai iniciar pelos grupos prioritários e será dividida em quatro fases.

A primeira fase compreende trabalhadores da saúde, idosos com mais de 75 anos, pessoas com mais de 60 anos que vivem em locais como casas de repouso ou instituições psiquiátricas e a população indígena. Em SC, esse grupo é formado por 426.678 pessoas, segundo estimativa do governo do Estado.

Dentro desse grupo, os municípios têm autonomia para definir qual será a ordem de vacinação durante a primeira fase. Florianópolis, por exemplo, já definiu que vai começar a vacinação com profissionais de saúde que trabalham em UTIs com pacientes de Covid-19, depois avançando para trabalhadores da área que atuam em outros setores da linha de frente do novo coronavírus.

> Para a economia, vacina da Covid-19 é mais urgente no Brasil do que as reformas

As outras três fases

A segunda fase prevê a vacinação de pessoas de 60 a 74 anos. A população estimada para essa fase em SC é de 844.644 pessoas.

O terceiro estágio da vacinação contra a covid-19 contemplará a imunização de pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença, entre os quais portadores de doenças renais crônicas e cardiovasculares. Este grupo soma 1.365.028 pessoas, na estimativa do governo.

A quarta e última fase consiste na vacinação de professores, profissionais das forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional estão incluídos. O grupo é estimado em 166.289 de pessoas.

> Itajaí tem a maior letalidade por Covid-19 entre cidades grandes de SC

Colunistas