nsc
nsc

Procurado

Sem dinheiro e foragido no México, Zé Trovão quer voltar ao Brasil

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
03/10/2021 - 11h35
Caminhoneiro Zé Trovão quer voltar ao Brasil
Caminhoneiro Zé Trovão quer voltar ao Brasil (Foto: Reprodução)

Faz um mês que o caminhoneiro catarinense Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, é alvo de um mandado de prisão expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por descumprir ordens judiciais. Localizado pela Polícia Federal no México e alvo da Interpol, ele continua foragido e desafiando as autoridades enquanto busca um salvo-conduto para retornar ao país sem ter que parar atrás das grades.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A história do catarinense, que passou do completo anonimato a arroz-de-festa nas redes bolsonaristas, e foi apontado pela Procuradoria Geral da República (PGR) como articulador de atos antidemocráticos, ganhou um novo contorno esta semana, com a informação de que sua defesa pediu ao STF autorização para que ele retorne ao Brasil.

Quem banca o turismo internacional do foragido Zé Trovão

A petição foi anexada ao inquérito que investiga a organização dos atos de Sete de Setembro, que corre em sigilo no Supremo. A rede CNN divulgou ter tido acesso ao documento, em que a defesa afirma que o caminhoneiro é pai de um filho recém-nascido em Joinville, que depende “do trabalho e da renda paterna”, e diz que ele pretende se apresentar espontaneamente à Justiça.

Preso em SC por falar em caça a ministros do Supremo pede habeas corpus ao STF

No México desde o fim de agosto, o caminhoneiro estaria com dificuldades financeiras para permanecer viajando. Sabe-se que não dispõe de recursos próprios para um turismo tão extenso pela América Central – o que pode indicar que a fonte que o financiava secou. Caminhoneiros ouvidos pela coluna, em condição de anonimato, acreditam que a fuga internacional de Zé Trovão, em agosto, teria sido bancada por empresários do agronegócio de quem ele se aproximou.

Governo Bolsonaro já arrecadou R$ 61 bi em SC em 2021 e pode bater o próprio recorde

A Polícia Federal chegou a identificar a localização de Zé Trovão em setembro, em um hotel na Cidade do México. Mesmo assim, ele não foi preso. Desde que saiu do Brasil, o caminhoneiro passou pelas cidades mexicanas de Guadalajara, Cidade do México e Cancún. Também esteve no Panamá. As buscas, que começara pela Polícia Federal em Santa Catarina, foram assumidas por equipes de Brasília e seguem concentradas na Capital Federal.

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Até agora, todos os pedidos para aliviar a barra de Zé Trovão foram negados pelo STF. Além do inquérito sigiloso, onde é representado oficialmente por seu advogado, o caminhoneiro já foi alvo de sete tentativas de habeas corpus no Supremo, apresentadas por advogados que não atuam diretamente em sua defesa. Cinco deles, após os atos de Sete de Setembro.

Todos os pedidos foram negados pelos ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso – alguns deles, por questões técnicas judiciais. Uma parte ainda está em fase de recursos.

Balneário Camboriú prepara maior Réveillon de SC com fogos de R$ 2,3 milhões

Desde a confusão com a paralisação dos caminhoneiros, sequência dos atos de Sete de Setembro que provocou reação dos mercados, incomodou a população e ajudou a pressionar o presidente Jair Bolsonaro a baixar temporariamente a guarda, Zé Trovão anda sumido das redes bolsonaristas. Seu nome foi lembrado esta semana com o anúncio do aumento do diesel, mas por outra “bolha”, a que cobrava dele a mesma indignação que demonstrou na convocação para as manifestações contra o Supremo.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas