O clima quente no inverno deste ano em Santa Catarina gerado em parte pela atuação do fenômeno El Niño alterou o comportamento de animais peçonhentos e considerados “sangue frio”. O número de ocorrências de resgate pelo Corpo de Bombeiros (CBMSC) aumentou 13,6% se comparado com o mesmo período do ano passado. Em relação ao inverno de 2021, o crescimento foi ainda maior, chegou a 34%.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Apesar dos hábitos de hibernarem no inverno e voltarem a ser mais ativos no verão, o aquecimento das estações causou um registro de 292 ocorrências de capturas de animais como cobras, aranhas, escorpiões e demais peçonhentos no último inverno, período compreendido entre 21 de junho e 23 de setembro.

Em 2022, foram 257 resgates do tipo atendidos pelo órgão e em 2021 foram 218, revelando uma relação entre aumento gradual das temperaturas e aumento de aparições desses animais fora de época.

Veja imagens de animais peçonhentos em lugares inusitados de SC neste ano

Continua depois da publicidade

Os animais de sangue frio, incluindo aqueles peçonhentos, têm um funcionamento interno muito relacionado com a temperatura ambiente. Temperaturas mais quentes aceleram esse metabolismo e lógico, eles vão sair para procurar mais alimento e podem também antecipar o ciclo reprodutivo afirmou Ricardo Penteado, biólogo do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA).

Por que cobras aparecem com frequência em casas de SC?

De acordo com o meteorologista da Epagri/Ciram, Marcelo Martins, o inverno de 2023 teve temperaturas entre 1°C e 3°C (variando entre municípios e entre regiões) acima do que era esperado para o período em Santa Catarina se comparado com a média histórica.

Essa questão de um inverno mais quente, com altas temperaturas como a gente viu agora e que também estão previstas para os próximos meses de primavera e verão, com certeza vão acelerar o comportamento desses animais e vai se tornar cada vez mais comum o aparecimento deles nas cidades ressaltou Ricardo, afirmando que é preciso tomar cuidado ao avistar animais peçonhentos e entrar em contato com o Corpo de Bombeiros imediatamente para solicitar resgate.

Segundo o biólogo, em Santa Catarina existem duas famílias de espécies peçonhentas de serpentes (compreendem espécies como jararacas, cascavéis e corais), três famílias de aranhas (armadeiras, aranhas de jardim e aranhas marrons) e dois grupos de escorpiões (amarelos e pretos).

Continua depois da publicidade

  • No caso das serpentes, as corais verdadeiras estão entre as mais venenosas, com uma peçonha que ataca diretamente o sistema nervoso e pode causar parada cardiorrespiratória e até mesmo a morte. As cascáveis, com um veneno neurotóxico que causa problemas na fala, visão e equilíbrio corporal, se concentram na Serra e no Oeste do Estado e não são encontradas em Florianópolis. Já as picadas de jararacas tem um veneno necrosante que ataca tecidos e proteínas, podendo causar amputações.
  • No caso das aranhas, as armadeiras e as marrons também possuem peçonha do tipo neurotóxica, levando à falência do sistema nervoso, problemas hepáticos, renais, entre outros. A picada da aranha de jardim é a menos preocupante, apesar de causar problemas como necroses.
  • Para os escorpiões, é preciso ficar alerta com o amarelo, que está presente em toda Santa Catarina e é considerado o mais venenoso da América do Sul. O biólogo destaca que em escorpiões, quanto menor pior. O preto, que é uma espécie um pouco maior, é menos venenosa, mas não tira o alerta para picadas do gênero, especialmente em crianças e idosos.

Calorão fora de época em SC faz cobras e lagartos aparecerem em casas, escolas e empresas

Apesar da maioria dessas espécies possuírem soro antiofídico específico para serem administrados e o veneno neutralizado, é preciso evitar qualquer tipo de contato ou aproximação com esses animais, visto a gravidade e complicações que mordidas, picadas ou ferroadas podem apresentar nos humanos.

Continua depois da publicidade

Como reconhecer animais peçonhentos?

Animais peçonhentos são aqueles que possuem glândulas de veneno e que o injetam com facilidade por meio de dentes ocos, ferrões ou aguilhões. Saber identificar a diferença entre esses animais e os não venenosos pode ser um importante passo para evitar acidentes, além de, em caso de ataques, saber a espécie é essencial para receber o soro antiofídico adequado no momento do atendimento hospitalar.

Conheça as 11 cobras venenosas nativas de SC e veja em quais regiões são encontradas

De acordo com Ricardo Penteado, existem algumas características que podem auxiliar no momento da identificação desses animais:

  • Em relação às cobras corais-verdadeiras ou falsas e serpentes com listras coloridas, o recomendado é não entrar em contato com as espécies, pois é muito difícil a identificação e as diferenças são sutis;
  • Serpentes com cabeça em formato triangular geralmente são peçonhentas, apesar de não ser regra;
  • Caudas bem afinadas se comparadas com a largura do resto do corpo, chocalhos (guizos), anéis coloridos e pupilas verticais também são sinais de cobras venenosas;

Continua depois da publicidade

  • Outra característica de serpentes com peçonha são a presença de orifícios entre o nariz e os olhos, tanto em jararacas quanto em cascavéis. Chamados de fosseta loreal, esses mini buracos ajudam as cobras a identificarem as presas através do calor e mudança de temperatura;
  • No caso de aranhas, a identificação é mais complicada. Em Santa Catarina, as três espécies nativas (armadeira, de jardim e marrom) são meio parecidas, todas marrons e com as patas bem longas.
  • Os escorpiões são os mais fáceis de identificar. Como as espécies mais comuns em SC são os amarelos e os pretos, a coloração auxilia consideravelmente no processo de detecção, além dos pretos serem maiores que os amarelos.

Quais os 7 animais peçonhentos que mais assustam moradores de Blumenau

Ricardo destaca também o fato que acidentes de pessoas que confundem cobras corais falsas com verdadeiras, por exemplo, são bastante comuns, visto que as diferenças são sutis.

Continua depois da publicidade

Independente da pessoa achar que conhece ou que sabe identificar o animal com uma certa certeza, o recomendado é não mexer e evitar qualquer tipo de contato ou captura, nem mesmo tentar matá-lo ressaltou o biólogo.

Como se prevenir de acidentes com esses animais?

De acordo com o CBMSC, acidentes com esses animais podem provocar graves ferimentos e até mesmo o óbito, especialmente em crianças e idosos.

O biólogo Ricardo Penteado destaca ainda que o indicado é evitar picadas e contato direto com eles. Em casos de encontrar um desses animais peçonhentos dentro de casa, a primeira coisa a se fazer é “não tentar a captura” e evitar que crianças e demais animais domésticos se aproximem do peçonhento.

Acidentes com animais peçonhentos crescem 47,8% nos últimos quatro anos em SC

Por isso, é importante tomar alguns cuidados ao se avistar uma cobra ou uma aranha, por exemplo, visto que podem se sentir ameaçados dependendo do comportamento humano e atacar de forma instintiva.

Continua depois da publicidade

Confira algumas dicas de prevenção do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina:

  • Evite o acúmulo de lixos e entulhos;
  • Mantenha jardins e terrenos baldios limpos;
  • Apare o gramado e recolha folhas caídas;
  • Coloque lixo em sacos plásticos e feche-o corretamente;
  • Vede aberturas da casa podem facilitar o acesso dos animais, como soleiras de portas e ralos;
  • Examine roupas, calçados, toalhas e roupas de cama antes de usá-las;
  • Evite andar descalço;
  • Use luvas de proteção ao trabalhar com materiais estocados (ex: lenha).

O que fazer e o que não fazer em caso de ataques?

Mesmo com as medidas de prevenção adotadas, acidentes podem acontecer. Apesar disso, é importante não “demonizar” e lembrar da importância desses animais para o equilíbrio ecológico e para o controle de pragas. O órgão recomenda conviver em harmonia com os demais seres e com o ecossistema, frisando que o assassinato de cobras e agressões à fauna silvestre são crimes ambientais.

Cobras venenosas em Santa Catarina; saiba mais e quais os cuidados

Em caso de dúvidas, encontros ou acidentes com animais peçonhentos, acione o Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina, pelo atendimento 0800 643 52 52 ou pelos telefones (48) 3721-9535 e (48) 3721-9173. A Polícia Militar Ambiental e o CBMSC também são canais de ocorrência para o caso.

Primeiros socorros em casos de acidentes com animais peçonhentos:

  • Lave o local com água e sabão;
  • Eleve o local afetado;
  • Mantenha a vítima em repouso absoluto (não a faça caminhar, correr, etc);
  • Remova anéis, pulseiras, braceletes e outros adornos;
  • Se a vítima estiver consciente, ofereça água para ela beber e a mantenha hidratada;
  • Se possível, tire foto ou leve o animal para identificação (mesmo morto);
  • Assim que possível ligue para o Centro de Informações Toxicológicas;
  • Leve a vítima ao pronto-socorro imediatamente para receber o soro antiofídico.

Como se prevenir e cuidar de picadas de animais peçonhentos

O que não fazer em hipótese alguma:

  • Não amarre o membro ou faça torniquete;
  • Não corte o local da picada;
  • Não chupe o local da picada;
  • Não coloque substâncias no local da picada;

Entenda a diferença entre a cobra-coral verdadeira e falsa

Leia também

A lista que revela as cobras mais venenosas do mundo

Entenda a diferença entre cobra-coral-verdadeira e coral-falsa

Destaques do NSC Total