nsc
    hora_de_sc

    Saúde

    Grande Florianópolis passa de 67% para 88% de ocupação em UTIs adulto em um mês

    Região chegou a registrar 93% de ocupação em leitos adultos na quarta-feira, maior índice desde 9 de dezembro; prefeitos discutem novas medidas

    19/02/2021 - 11h49 - Atualizada em: 19/02/2021 - 13h41

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Grande Florianópolis tem aumento de ocupação de leitos de UTI adulto, com 88% das vagas ocupadas
    Grande Florianópolis tem aumento de ocupação de leitos de UTI adulto, com 88% das vagas ocupadas
    (Foto: )

    A Grande Florianópolis passou de 67% para 88,6% de ocupação em leitos de UTI adulto nos últimos 30 dias. Os números confirmam o aumento de internações e pressão sobre hospitais e o sistema de saúde da Capital observado nos últimos dias.

    > Lotação: HU em Florianópolis suspende atendimento de emergência respiratória

    Em 19 de janeiro, a região da Capital vivia uma situação de mais estabilidade, com 68 leitos adultos livres entre os 206 existentes na ocasião, o que representava uma ocupação de 67%. Desde dezembro, o menor número de internação em UTIs adulto foi de 63%, registrado em 9 de janeiro.

    Nesses últimos 30 dias, no entanto, os índices foram aumentando até chegarem à casa de 90% de ocupação no início desta semana, quando alguns hospitais já chegaram ter lotação de UTIs. Na manhã desta sexta-feira, o painel do Estado mostrava a ocupação em 88,6% (24 leitos livres entre os 212 existentes na região).

    O boletim de quinta-feira (18) mostrava ocupação de UTIs adulto em 88,9% na Grande Florianópolis. Na quarta-feira, o percentual chegou a 93%, o maior índice registrado na região desde 9 de dezembro, data em que a região alcançou 96% de ocupação e chegou a ter apenas oito vagas em terapia intensiva. Os dados são dos boletins diários divulgados pelo governo do Estado e consideram a ocupação de leitos de UTI adulto, que atendem à maior parte das pessoas com complicações de Covid-19 que exigem internação em terapia intensiva.

    No início da semana, alguns hospitais públicos de Florianópolis chegaram a registrar 100% de ocupação de leitos adultos. Hospitais particulares da Capital também informam aumento nas internações – até a quarta-feira, dois das três principais unidades privadas tinham cenário de UTIs lotadas.

    > Receba notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

    Município discute medidas para conter crise

    A situação da região fez a prefeitura anunciar uma compra de mais 10 leitos para eventual necessidade. Nesta sexta-feira, prefeitos de cidades da Grande Florianópolis se reúnem para discutir a ocupação de leitos de UTI e possíveis medidas contra a Covid-19. Nesta quinta, o Hospital Universitário anunciou o fechamento do atendimento de emergência respiratória. A unidade não conta com nenhum leito adulto de UTI disponível, segundo dados da manhã desta sexta-feira (19) do painel de leitos do governo do Estado.

    A ferramenta Covidômetro, da prefeitura de Florianópolis, chegou a indicar na quinta-feira que a Capital teria chegado a 99% de ocupação nos leitos adultos, com apenas duas vagas disponíveis em um universo de 210 leitos. No entanto, há divergências entre esses dados e os números divulgados no mais recente boletim do Estado. Para a Secretaria Estadual da Saúde, havia nesta quinta 23 leitos vagos em 208 ativados na região.

    A diferença pode ocorrer por distinções em alguns critérios das duas esferas de governo. O município, por exemplo, informa considerar “livres” apenas os leitos que possam ser usados de forma imediata, e que isso seria uma interpretação diferente em relação ao Estado. A ferramenta municipal também considera um número de leitos indisponíveis, que seriam reservados a pacientes que passam por outros procedimentos.

    > Crise na Grande Florianópolis: prefeitos discutem UTIs e ações contra Covid-19

    Situação é reflexo da falta de medidas de restrição, diz especialista

    O chefe do departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Fabrício Menegon, avalia que a situação atual de aumento na ocupação de UTIs é uma tragédia anunciada. Isso porque, segundo ele, existe uma dinâmica linear entre o aumento de casos de Covid-19 e o de formas graves da doença, que exigem internação e vagas na terapia intensiva.

    – Já vínhamos falando que se não houvesse controle da disseminação do vírus, o próximo passo seria a superlotação de leitos de UTI – afirma.

    Para o professor, a situação em regiões 1como a Grande Florianópolis e o Oeste resulta basicamente de dois fatores. Um deles é a desabilitação de leitos de UTI feita pelo governo do Estado entre outubro e novembro do ano passado, época de redução de casos. A medida é considerada equivocada pelo especialista.

    – Agora o Estado quer habilitar esses leitos, mas enfrenta problemas porque precisa de equipe especializada, material, insumos. Uma série de coisas que não se resolve no prazo de uma semana – explica.

    > SC pressiona governo Bolsonaro a investir em leitos de UTI para covid-19

    O outro fator que explicaria o cenário atual de lotação em UTIs seria a falta de medidas de restrição para conter a circulação de pessoas e, consequentemente, do novo coronavírus.

    – O que tem que ser feito é o que nunca se fez: atuar fortemente para a redução do avanço da epidemia. Leitos de UTI são parte da estratégia de enfrentamento, não podem ser tomados jamais como a estratégia em si. A estratégia é um conjunto de medidas de enfrentamento, e Isso se faz com medidas enérgicas, fechamento de atividades não essenciais, testagem em massa para isolar os casos positivos, monitorar os contatos. Temos sempre que lembrar que a epidemia cresce porque pessoas estão circulando, de maneira livre, não existe nenhuma barreira sanitária ou decreto que reduza fortemente essa circulação – aponta.

    > SC tem alta de casos ativos de covid-19 e registra o maior número em dois meses

    Oeste de SC também tem UTIs próximas da lotação

    O Oeste do Estado é outra região catarinense que também registra nas últimas duas semanas um cenário de aumento nas internações por Covid-19. Nesta região, pacientes estão sendo transferidos para hospitais de outras regiões devido à falta de vagas de UTIs. O governo do Estado promete a criação de mais 27 leitos até o fim desta semana. A prefeitura de Chapecó também anunciou algumas medidas de restrição para tentar frear o avanço da pandemia.

    Em todo o Estado há aumento de internações e a ocupação de UTIs em SC já é a maior desde 22 de dezembro de 2020.

    Leia também

    > Vacina em SC: Esperança e incerteza marcam primeiro mês da imunização

    > Ocupação de UTIs em SC é a maior desde 22 de dezembro

    > Florianópolis suspende vacinação de trabalhadores da saúde contra a covid-19

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas