nsc
dc

Caos na Saúde

Hospital de Xanxerê alerta: "Vamos começar a perder vidas, a comunidade precisa estar preparada"

Hospital Regional São Paulo está com todos os setores lotados e admite que pacientes poderão esperar por atendimento na rua

02/03/2021 - 13h34 - Atualizada em: 02/03/2021 - 18h32

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Hospital Regional São Paulo, em Xanxerê
Oito pessoas já morreram esperando um leito de UTI no Hospital Regional São Paulo, em Xanxerê
(Foto: )

O Hospital Regional São Paulo, referência na cidade de Xanxerê e municípios vizinhos no Oeste catarinense, emitiu no início da tarde desta terça-feira (2) um dos comunicados mais duros até hoje na pandemia do coronavírus. Em situação de colapso total e sem espaço para novos pacientes em qualquer setor, a unidade de saúde alerta: "vamos começar a perder vidas de muitos pacientes".

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

> Santa Catarina tem 251 pessoas na fila de espera por leito de UTI

O comunicado, divulgado nas redes sociais do hospital, explica que 100% dos espaços estão lotados. Todas as UTIs, ala de emergência, internação e até mesmo corredores. Somente na área de emergência, 35 pacientes estão internados, sendo que 20 já estão intubados e aguardam um leito de UTI Covid-19.

> Após flagrar paciente com Covid-19 na rua, profissional de saúde de SC faz apelo em áudio

> Colapso no Oeste: ministro Pazuello confirma visita a Chapecó e Xanxerê na sexta-feira

"Estamos vivendo o pior momento desde o início da pandemia da Covid-19. Não iremos viver uma catástrofe, já estamos nela. É o caos. É o limite. Do jeito que está, as equipes estão fazendo o que é possível, dentro do alcance e do que está disponível. Alcançamos o máximo das nossas possibilidades. Vamos começar a perder vidas de muitos pacientes. A comunidade precisa estar preparada. E não vai ser por falha de atendimento, vai ser por falta de acesso ao serviço de saúde que está lotado", diz o texto.

O hospital diz que se desdobrou para atender a demanda crescente, mas não foi o suficiente. Agora, segundo o comunicado, existem pacientes em estado grave sendo atendidos em poltronas e ambientes improvisados. Em breve, diz o texto, pacientes terão que esperar do lado de fora:

"Estamos em um momento tão crítico, que será melhor para o paciente ficar aguardando atendimento dentro de uma ambulância do que dentro dos espaços da unidade hospitalar, o paciente terá mais suporte e recursos dentro da ambulância. Seria uma imprudência retirar o paciente do suporte que está recebendo na ambulância, com o aporte dos equipamentos de uma UTI Móvel e dos profissionais para atender esse paciente, do que receber ele no hospital".

Ainda segundo o comunicado do Hospital Regional São Paulo, "os profissionais estão esgotados" e há também falta de insumos e equipamentos, mesmo com os repasses recentes de medicamentos, materiais e respiradores feitos pelo governo do Estado e também pelo Ministério da Saúde.

Oito pessoas já morreram na espera por leitos

Conforme a prefeitura de Xanxerê, o colapso na saúde já causou a morte de pelo menos oito pacientes com Covid-19 que morreram na espera por um leito de UTI na cidade. A última morte ocorreu no início da tarde desta terça, e a vítima era uma mulher de 39 anos que não tinha comorbidades. Ela estava internada na emergência do hospital, esperando por uma vaga de UTI.

Convocação de médicos

A prefeitura de Xanxerê publicou dois novos decretos no domingo (28) com medidas para o combate ao coronavírus. Além do fechamento das atividades não essenciais, o município decidiu convocar médicos da rede privada para atuar no sistema público.

Utilizando um dispositivo legal que está previsto na legislação estadual e nacional durante a pandemia, a prefeitura de Xanxerê está convocando médicos, fisioterapeutas e psicólogos da rede particular para que atuem no sistema público de saúde. A convocação vale para todos os profissionais da cidade e prevê multa e até sanções como a suspensão do alvará de clínicas aos que se negarem a responder.

> Opinião: catarinenses são enviados para o ‘corredor da morte’ em nome da economia

Os médicos terão que prestar seis horas semanais de serviço pelas próximas duas semanas. Eles serão incluídos na escala da Secretaria de Saúde e encaminhados para atendimento no Hospital Regional São Paulo ou no ambulatório de campanha. Posteriormente, os médicos poderão exigir ou não a indenização pelas horas trabalhadas.

Leia também:

Um dia após dar à luz trigêmeos, mulher é intubada com a Covid-19 em Chapecó

Prefeito de Xanxerê chora e apela por ajuda: "estamos dando um grito de socorro"

Grupo faz corrente de oração de joelhos em frente a hospital em Chapecó; veja vídeo

Variante do coronavírus pode estar atrás de explosão de internações em SC

Chapecó pede análise do Estado sobre fechamento de rodovias e aeroporto para conter avanço da Covid-19

SC tem a semana com mais mortes por Covid-19 desde o início da pandemia

Colunistas