nsc
an

Histórico criminal

Suspeito de estupro no Centro de Joinville foi preso ao se passar por ginecologista em 1976

Atualmente, ele tem 70 anos e foi detido pela polícia de Joinville pelo crime cometido dentro de uma loja de roupas

26/10/2020 - 12h44 - Atualizada em: 26/10/2020 - 16h56

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
imagem mostra recorte antigo de jornal
Diário do Paraná publicou sobre o crime do homem por tentativa de estupro em 1976
(Foto: )

O homem preso suspeito de ter cometido um estupro dentro de uma loja no Centro de Joinville já teria sido detido há 44 anos, em 1976, por tentativa de estupro. Na época, tinha 26 anos e tentou se passar por ginecologista, oferecendo consultas à domicílio, em Curitiba (PR). Uma reportagem sobre o caso foi encontrada pela Polícia Civil de Joinville, publicada no Diário do Paraná.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

Segundo a matéria do Diário do Paraná, um homem com o mesmo nome do suspeito de estupro em Joinville entrou em um prédio no Centro de Curitiba, informou que era estudante de medicina e estava realizando exames ginecológicos à domicílio. A primeira vítima foi a empregada de um dos apartamentos, uma jovem de 18 anos, que chegou a entrar no banho para se preparar para o exame, mas desconfiou e contou o caso à dona da casa. A mulher informou que não permitiu que a garota se submetesse ao exame.

Em seguida, ele foi a outro apartamento e disse a um garoto que o dono da casa havia o mandado para realizar um exame na esposa. O menino deixou que o homem entrasse no apartamento mas, quando o filho mais velho chegou e encontrou o "falso ginecologista" que aguardava sua mãe, também desconfiou e ligou para o pai. 

Nervoso, o dono da casa voltou para o prédio a tempo de deter o homem. A polícia foi chamada e ele foi levado à delegacia. Lá, negou que tentava fazer uma aproximação sexual e chegou a afirmar que tinha um encontro marcado com a garota de 18 anos e usou a desculpa para que ela pudesse sair sem problemas. A matéria era concluída com a informação de que ele poderia ser indiciado por exercício ilegal da medicina e tentativa de estupro.

Leia mais

Em depoimento, suspeito diz que entrou na loja para evangelizar

"Parecia uma boneca, imóvel", diz delegada sobre estupro em Joinville

"Nunca presenciei uma situação dessas", diz delegado sobre estupro em Joinville

Outros crimes nas últimas décadas

Segundo a Polícia Militar, o homem suspeito pelo estupro em Joinville tem passagens por outros crimes de violência sexual, como atentado violento ao pudor e estupro, nos últimos 10 anos. A Polícia Civil informou que ele já chegou a cumprir pena em Curitibanos, após ser preso em 2012. Agora, ele estava em liberdade condicional.

O suspeito é de Curitiba e tem passagens policiais no Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Ele tem histórico de crimes desde 2011, de acordo com a Polícia Civil. A reportagem do jornal A Notícia, em buscas pelo sistema do Tribunal de Justiça do Paraná, também encontrou condenações, pedidos de habeas corpus e apelações do homem dos anos 1990 e 2000, sempre por crimes sexuais.

O nome dele não é divulgado pelo jornal A Notícia e foi apagado da imagem do jornal antigo porque, em Joinville, o crime ainda está em investigação. Ele teve prisão preventiva decretada no sábado e ficará no Presídio Regional de Joinville, sem prazo para liberação, enquanto durarem as investigações.

Estupro à luz do dia no Centro de Joinville

Na última quinta-feira (21), o homem, que agora tem 70 anos, entrou em uma loja e cometeu o crime de violência sexual contra uma jovem de 24 anos. Ele ainda roubou R$ 220 da vítima. As polícias Militar e Civil realizaram buscas durante todo o dia e, após um trabalho intenso de investigações, encontraram o homem por volta das 22h30

Ele estava entrando em um hotel perto da rodoviária de Joinville. Está preso desde então. A Polícia Civil de Joinville investiga o tipo de procedimento que ele utilizou contra a vítima, já que ele fez um tipo de "ritual", que foi registrado pela câmera de segurança da loja.

Leia também:

Uma pessoa é estuprada a cada duas horas em SC, aponta Anuário de Segurança Pública

SC registra mais de um aborto por mês em meninas entre 10 e 14 anos

"Não vamos deixar o medo do exame fazer com que a doença piore", diz jovem que teve câncer de mama em SC

Colunistas