nsc
nsc

Política

Três perguntas que as autoridades ainda precisam responder sobre Zé Trovão

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
27/10/2021 - 07h44
Zé Trovão foi preso em Joinville após se entregar à PF
Zé Trovão foi preso em Joinville após se entregar à PF (Foto: Reprodução)

Preso em Joinville, onde entregou-se na Delegacia da Polícia Federal nesta terça-feira (26), após permanecer quase dois meses foragido, o caminhoneiro bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, não foi interrogado. Seguiu direto para o Presídio Regional, e ainda não há informações de quando será ouvido pelas autoridades. 

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O caso, no entanto, deixou um rastro de perguntas ainda sem resposta. A coluna separou três dos principais questionamentos que as autoridades ainda precisam responder.

1 – Como Zé Trovão entrou no Brasil sem ser preso

Quando o STF expediu mandado de prisão contra o caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, por descumprimento de ordens judiciais, ele estava no México. Ainda em setembro, a PF colocou o nome dele na lista vermelha da Interpol, onde estão os brasileiros com mandado ativo de prisão. Com isso, notificou a polícia internacional de que Zé Trovão era procurado pela Justiça no Brasil.

Por que a Polícia Federal não consegue prender Zé Trovão

Assim como funciona no Brasil, no México a prisão de um estrangeiro precisaria ser referendada pela Justiça local. O fato do mandado mirar em um aliado do governo brasileiro tornou o caso uma saia-justa diplomática, e é provável que por esse motivo não tenha havido encaminhamento. Mas, com o mandado de prisão ativo, Zé Trovão seria detido no momento em que retornasse ao país. O que não aconteceu.

Nem a Polícia Federal, nem a defesa do caminhoneiro, informam como ele entrou no Brasil. Fontes ouvidas pela coluna apontam a possibilidade de que Zé Trovão tenha seguido até a Argentina ou o Paraguai de avião, e feito o restante do trajeto por meio rodoviário. Mas chama atenção que não tenha sido identificado em nenhuma fronteira brasileira. Ao site local Top Elegance, Zé Trovão disse antes de se apresentar à polícia que já estava em casa, em Joinville, desde o último domingo (24). 

Catarinense preso após falar em caça a ministros é solto por ordem do STF

2 – Por que se entregou

Há diferentes versões sobre os motivos que teriam feito Zé Trovão, foragido, retornar ao Brasil. A primeira delas foi levantada por fontes próximas ao caminhoneiro e pela sua antiga defesa, que apontaram dificuldades financeiras para que ele continuasse no México. As fontes de financiamento teriam se esgotado ao longo do tempo.

Em uma petição anexada ao inquérito que investiga a organização dos atos de Sete de Setembro, que corre em sigilo no Supremo, seu antigo advogado afirmou que o caminhoneiro é pai de um filho recém-nascido em Joinville, que depende “do trabalho e da renda paterna”.

Motociata de Bolsonaro em Chapecó foi a segunda mais cara no país

A advogada Thaise Mattar Assad, que assumiu recentemente o caso de Marcos Antônio Pereira Gomes e o acompanhou nesta terça-feira, disse à coluna que, além de questões familiares, Zé Trovão passou a “confiar na Justiça” e por isso se entregou. Ela informou que apresentará um pedido de liberdade para o caminhoneiro ao ministro Alexandre de Moraes.

Mas há ainda uma leitura política sobre o contexto da entrega do bolsonarista Zé Trovão, que coincide com uma nova mobilização de caminhoneiros - desta vez, insatisfeitos com o preço do diesel e a tabela do frete. Seria um recado à categoria, um "sacrifício" pró-governo (manobra arriscada, já que Zé Trovão não é reconhecido como liderança pelos motoristas). O presidente Jair Bolsonaro chegou a anunciar um auxílio para caminhoneiros para tentar frear os ânimos da categoria.

Aumenta internação de grávidas não vacinadas em UTI Covid em hospital referência de SC

3 – Quem financiou seu turismo internacional pela América Central

É fundamental para as autoridades entender como um desconhecido caminhoneiro catarinense, alçado a influencer bolsonarista, consegue fazer turismo pela América Central enquanto é procurado pela Polícia Federal. Segundo informações da própria PF, Marcos Antônio Pereira Gomes passou pelo Panamá e pelo México, onde hospedou-se em Guadalajara, Cidade do México e em Cancún, conhecido destino turístico caribenho.

Caminhoneiros creditam ao setor do agronegócio mais próximo ao presidente Jair Bolsonaro o financiamento de Zé Trovão. Isso explicaria como ele conseguiu deixar o país e se movimentar livremente no exterior.

Bolsonaro propaga informação falsa ao relacionar vacina a casos de Aids; especialistas reagem

Essa hipótese, no entanto, era afastada por sua antiga defesa. Seu ex-advogado disse à coluna que o caminhoneiro vinha se mantendo com “o básico do básico”, por meio de recursos que enviados por amigos e conhecidos - especialmente de SC, das cidades de Joinville, São Francisco do Sul e Itajaí. Uma chave Pix e uma conta bancária que eram usadas para o envio de doações anônimas para o caminhoneiro, foram bloqueadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Identificar a fonte de recursos do turismo internacional de Zé Trovão pode ajudar a explicar o financiamento de atos de teor golpista que estão na mira do Supremo e são inconstitucionais.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e CoronavacReceba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas