nsc
dc

Saúde

Coronavírus em Santa Catarina: acompanhe a evolução da doença no Estado

Santa Catarina tem evolução no número de casos da Covid-19 e medidas restritivas incentivam a quarentena dos moradores em casa

13/03/2020 - 06h00 - Atualizada em: 27/03/2020 - 16h54

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Proteção coronavirus ruas de blumenau
(Foto: )

Santa Catarina está em estado de emergência por causa da pandemia do coronavírus. Um decreto publicado pelo Governo do Estado nesta quarta-feira (18) estabeleceu medidas de quarentena em todo o território catarinense. Entenda as restrições impostas.

> Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

> Perguntas e respostas sobre o coronavírus: o que é, sintomas e onde buscar atendimento

A medida foi tomada a partir do momento em que foi registrada pelos órgãos de saúde a transmissão comunitária da Covid-19 em Santa Catarina. Ou seja, quando não é mais possível determinar a origem dos casos da doença.

Acompanhe abaixo as atualizações da equipe de jornalismo da NSC sobre a quarentena em Santa Catarina:

Avanço do coronavírus

As aulas da rede de ensino em Santa Catarina estão suspensas desde a segunda-feira (16), quando o Estado confirmou o sétimo caso de Covid-19.

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) também confirmou que vai parar toda a atividade durante a semana. Sessões e reuniões das comissões estão suspensas, segundo o presidente da Alesc, Júlio Garcia. O Campeonato Catarinense de futebol também foi suspenso. A competição está paralisada por tempo indeterminado, conforme comunicado da Federação Catarinense de Futebol (FCF).

Na sexta-feira (13) o presidente Jair Bolsonaro, que estava sendo monitorado como um possível caso da doença Covid-19, publicou nas redes sociais que os exames deram negativo para o novo vírus, descartando a suspeita de coronavírus. Os parlamentares catarinenses Jorginho Mello (PL) e Daniel Freitas (PSL), que também estavam sob monitoramento, fizeram exames. Jorginho teve o caso descartado, mas Daniel Freitas foi confirmado com a Covid-19.

Leia mais: shows e eventos no Brasil e no mundo cancelados por causa do coronavírus

Com o aumento dos casos, especialistas passaram a reforçar a orientação de cuidado extra para os idosos, que podem sofrer com mais intensidade os efeitos do coronavírus. Outra recomendação repassada pelo Ministério da Saúde é para que pessoas que voltarem de viagem ao Exterior fiquem em casa por sete dias.

Primeiros casos confirmados em SC

O avanço dos casos do novo coronavírus teve um dos dias mais críticos nesta quinta-feira (12). A data marcou a descoberta dos dois primeiros casos confirmados da doença em Santa Catarina – um homem e uma mulher que receberam atendimento em Florianópolis. O homem depois foi identificado como o cantor Di Ferrero, ex-vocalista da banda NX Zero.

Na política, o exame que confirmou a contaminação por coronavírus do chefe da Secretaria de Comunicação do governo federal, Fábio Wajngarten, que viajou esta semana aos Estados Unidos com o presidente Jair Bolsonaro para os Estados Unidos, fez com que os membros da comitiva e até o presidente Bolsonaro passassem a ser monitorados.

Em SC, o governo do Estado criou um grupo de operações para lidar com os casos que surgirem do novo coronavírus. Farmácias de SC registram falta de produtos como máscaras e álcool gel. No mercado financeiro, as bolsas pelo mundo tiveram nesta quinta-feira interrupções nos negócios (circuit breaker) e registraram o pior desempenho em mais de 30 anos.

Leia mais: Coronavírus: mentiras e verdades sobre o Covid-19

Anúncio de pandemia

Na quarta-feira (12), após aumento dos casos nas últimas semanas em todo o mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a tratar o coronavírus como uma pandemia - uma epidemia que ocorre de forma global, em todo o mundo.

O governo federal avalia a liberação de R$ 5,1 bilhões para ações de combate ao coronavírus no Brasil. Também na quarta-feira, o presidente Donald Trump anunciou a proibição da entrada de voos da Europa, com exceção do Reino Unido, com destino aos Estados Unidos. A intenção seria conter o aumento de casos no país.

No Brasil, o Ministério da Saúde anunciou uma medida para obrigar os planos de saúde a custearem o exame para detecção do novo coronavírus.

Leia mais: mentiras e verdades sobre o Covid-19

Primeiro caso no Brasil

O primeiro caso confirmado do novo coronavírus no Brasil foi registrado no dia 25 de fevereiro, quando um homem de 61 anos, morador de São Paulo, testou positivo para o novo coronavírus.

A partir desta confirmação, o Ministério da Saúde adotou algumas ações como a antecipação da campanha de vacinação contra a gripe. Grupos como idosos serão imunizados já a partir de março. A intenção é evitar a contaminação por vírus como o Influenza, causador da gripe comum, e, com isso, facilitar o diagnóstico de possíveis casos do novo coronavírus.

Entre os impactos que o aumento da epidemia de coronavírus causa estão também os de viés financeiro. No Vale do Itajaí, empresas têxteis passaram a temer o reflexo nos negócios por conta da dificuldade de obter matéria-prima oriunda da China, primeiro país a registrar a doença Covid-19.

Casos no mundo

No mundo, o coronavírus, que começou pela China se alastrou com casos em países da Ásia, Europa e, mais recentemente, América do Norte. Em Paris, o Museu do Louvre chegou a ser fechado por conta do aumento de casos. Catarinenses que moram na Itália sentiram na pele a mudança nos hábitos do país, com a maior parte da população ficando em casa para evitar a propagação da doença.

O risco da desinformação

As fake news também se tornaram um adversário a ser vencido na luta contra o avanço do novo coronavírus. Nas primeiras semanas da doença, vídeos com informações falsas como a de que o vinagre poderia ser mais eficiente que o álcool gel na prevenção contra o vírus circularam nas redes sociais e propagaram uma informação equivocada — o álcool gel é a principal forma de se proteger do vírus. Outro vídeo também falso dizia que o álcool poderia alterar o resultado do teste do bafômetro.

O Ministério da Saúde criou uma seção em seu site em que desmente as informações falsas sobre o coronavírus que são divulgadas nas redes. No total, 85% das informações checadas pelo ministério eram fake news.

Leia mais: "As pessoas esquecem o valor da informação", diz jornalista que lidera grupo de checagem de fake news sobre o coronavírus

Origem do novo coronavírus

A pandemia do novo coronavírus teve origem na cidade de Wuhan, que faz parte da província de Hubei, na China. O local foi considerado como o epicentro do novo coronavírus. Uma família moradora de Palhoça que havia ido visitar a família ficou presa na quarentena adotada na cidade. Eles retornaram ao Brasil em um voo do governo federal com cerca de 40 brasileiros que estavam na cidade. Antes de voltar para a casa, o grupo fez uma quarentena de 14 dias em Anápolis (GO).

Embora o novo coronavírus tenha origem na China, onde houve o maior número de mortes, a doença se espalhou pelo mundo - uma das características do vírus é a facilidade de transmissão. Coreia do Sul, Irã, Itália e Espanha foram alguns dos países que também sentiram de forma severa o avanço da doença e adotaram medidas como isolamento de moradores e cancelamento de eventos com aglutinação de pessoas.

Baixa letalidade

Embora a velocidade de transmissão do novo coronavírus deixe a população e os especialistas da saúde em alerta, a letalidade do vírus é de 3,4%, o que é considerado baixa em comparação com episódios semelhantes, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), de 2003, ou a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers), de 2012.

O médico infectologista catarinense Antonio Miranda falou sobre o coronavírus e alertou que o fato de o vírus ter letalidade baixa é um motivo para que não haja tanto pânico sobre a doença.

Apesar da letalidade do novo vírus ser baixa, estatísticas demonstram que doença se torna mais grave em idosos. Por isso, eles precisam de cuidado extra na luta contra o avanço da Covid-19.

Leia mais: tire suas dúvidas sobre sintomas, tratamento e como prevenir

Dicas para se prevenir no dia a dia

Confira dicas para se proteger da doença
Confira dicas para se proteger da doença
(Foto: )

Os cuidados no dia a dia contra o coronavírus são parecidos aos de qualquer outra doença respiratória. Já os sintomas são os de gripe: tosse, coriza, febre, entre outros. Confira dicas para se prevenir do novo coronavírus.

Entre as dicas de prevenção estão o uso de máscaras de álcool gel. No entanto, é preciso saber quando é preciso utilizar esses produtos na tentativa de evitar a contaminação. A venda de máscaras e luvas acima do preço de mercado também foi identificada logo no início da epidemia. Por causa disso, o Procon de SC notificou estabelecimentos comerciais.

A NSC elaborou um site especial com dicas sobre o novo coronavírus, informações sobre a evolução da doença no Estado e no mundo e recomendações aos pacientes.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Saúde

Colunistas